Bergér comenta a sua dobradinha

Florian Bergér fala da sua segunda vitória na Challenger Cup

Bergér no traçado

A Challenger Class nasceu para dar aos novos talentos da aviação desportiva uma oportunidade de crescimento, abrindo a porta para que um dia possam disputar o título mundial.

Florian Bergér chegou em 2015 e impressionou desde logo o Comité da Corrida. Depois de terminar em quarto na sua primeira corrida, chamou a si todas as atenções. Depois chegou ao pódio na sua segunda corrida e terminou a época em quinto da geral.

A temporada de 2016 também começou com o pé direito, com o terceiro lugar na corrida de abertura. Mais tarde em Spielberg, etapa onde a neve marcou presença, chegou à primeira vitória da sua carreira. A partir daqui o piloto mostrou-se imparável, vencendo a Challenger Cup com uma vantagem de apenas dois pontos sobre o seu amigo e rival, Daniel Ryfa.

Excluindo Indianápolis, onde foi quarto, Bergér terminou todas as corridas no primeiro ou segundo lugar. Ao conseguir vencer por duas vezes consecutivas a Challenger Cup acabou por escrever mais um capítulo da história deste desporto, visto que foi o primeiro a consegui-lo. "Vivi uma grande época, onde consegui estar quase sempre no pódio até chegar à dobradinha," afirmou. "Fiquei com pena de não termos conseguido correr em Indianápolis, que é um lugar mítico para os desportos motorizados, mas em termos globais estou muito feliz".

Mas será que Bergér se vê no futuro com o título da Red Bull Air Race nas mãos? "O meu maior sonho é tornar-me um piloto da Master Class, é para isso que estou a aprender e a trabalhar ano após ano. Este ano, por exemplo, aprendi muito em relação às trajetórias. A Challenger Class é mesmo o passo certo para chegar à Master Class," concluiu.

O tempo dirá se Bergér vai chegar à Master Class, mas uma coisa é certa – o piloto está no bom caminho.